06/12/2017 às 13:14:00

Nova Andradina tem saldo positivo na abertura de empresas

“A economia da cidade mostra mais uma vez seu dinamismo e que é capaz de resistir à crise e se manter crescendo”, conclui Hernandes Ortiz.

Foto: João Cláudio
Coluna Retratos
Coluna Retratos
Foto: João Cláudio

Apesar da crise da economia brasdileira, Nova Andradina tem saldo positivo na abertura de empresas em 2017. De 2 de janeiro a 04 de dezembro de 2017, 492 empresas abriram as portas enquanto que 153 encerraram as atividades na capital do Vale do Ivinhema.  O saldo registrado é de 339 novos negócios abertos.

Os segmentos que mais cresceram foram vestuário e alimentos, que juntos foram responsáveis pela criação de 90 empresas. Destaque ainda para obras em alvenaria (26), transporte de cargas (24), cabeleireiros, manicure e pedicure (14), atividades médicas (12), serviços de manutenção, reparação mecânica e elétrica de veículos automotores (12) bares e estabelecimentos especializados em serviços de bebidas (10), hortifrutigranjeiros (9), serviços de pintura (8), fabricação de produtos de padaria e confeitaria (8), entre outros.

O secretário municipal de meio ambiente e desenvolvimento integrado (SEMADI), Hernandes Ortiz, analisou esses números e concluiu que é fundamental verificar os motivos que levaram ao fechamento dessas empresas, mas não se pode negar que a economia da cidade mostra mais uma vez seu dinamismo e que é capaz de resistir à crise e se manter crescendo.

Para Ortiz, o país está recuperando sua capacidade de investimentos e os empreendedores devem se preparar para a concorrência de mercado. No âmbito local, isso não é diferente. Quem pretende abrir um negócio precisa procurar informação, capacitação e consultorias especializadas para ajudá-lo nesta tarefa de empreender.

“Ás vezes, a pessoa tem um sonho de abrir uma loja de confecção, por exemplo. Junta um dinheiro e monta o seu próprio negócio. No entanto, não faz um estudo de mercado, não verifica se a cidade tem demanda para abrigar uma empresa deste ramo, não faz um planejamento. Em alguns meses, acaba fechando seu empreendimento, daí, põe a culpa na crise, no cliente, nas pessoas ou na cidade. Sonhar não é suficiente para uma empresa dar certo”, alerta o gestor. 

Empresários apostam no desenvolvimento de Nova Andradina

Proprietários da franquia Bocaditos, inaugurada há 6 meses, a professora Lidiane Peres dos Reis e o bancário Fagner Rodrigues dos Reis estão muito satisfeitos com o seu empreendimento. Eles contam que chegaram ao município em 2012, vindos de Deodápolis e Gloria de Dourados, respectivamente, e desde então, alimentavam o desejo de abrir seu próprio negócio.

A escolha pelo ramo da alimentação não foi por acaso: “É um setor que cresce muito em Nova Andradina”, avalia Lidiane, que deixou as salas de aula para cuidar do empreendimento. O esposo ainda trabalha numa agência local, mas quando acaba o expediente bancário, lá está ele atrás do balcão. Na opinião da empresária, o preço acessível, o ambiente e a qualidade do produto tem atraído a clientela. “Pesquisamos durante anos uma franquia e chegamos ao Bocaditos, que é do nosso estado de Mato Grosso do Sul. Estamos muito contentes porque o negócio caminha bem. A cidade te oferece essa condição, tem uma vocação para o ramo de alimentação”, comenta Lidiane.

Outra empresa que nasceu este ano no município é a “HR Detalhes”, loja especializada em presentes. O negócio pertence a quatro investidores, 3 que vieram de Iporã do Oeste, estado de Santa Catarina e 1 de Rondônia.  Jones Heep, um dos proprietários, revela que apostou em Nova Andradina porque é uma cidade agradável, boa para viver com a família e, que dentro do cenário nacional, tem espaço para este empreendimento. “Já viajei o Brasil todo, conheci muitas cidades por causa do trabalho, morei em Bataguassu e outros municípios. Aqui é um lugar que está crescendo, bacana, um polo de desenvolvimento”, acredita o empresário.

Questionado sobre como conheceu a Cidade Sorriso, Jones citou o seu parentesco com os proprietários da Cacau Show, franquia de chocolate. “Vim ajuda-los na administração do negócio deles, mas sempre quis abrir uma loja de presentes, diferenciada. Após uma ampla pesquisa de mercado, com fornecedores e logística, vimos que era viável. Estamos funcionando há quase dois meses e com dedicação e muito trabalho as coisas estão acontecendo”, detalha Heep.

Empreendedorismo

A Prefeitura trabalha para estimular o empreendedorismo na cidade. A Sala do Empreendedor é uma das apostas da Semadi (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Integrado), onde empresários de micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais têm orientação para formalização de empresas, capacitação e acesso a serviços de consultoria, intermediação de crédito e busca tecnológica.

Esses serviços de consultoria são oferecidos por meio de parceria com Sebrae, Senai e Senac, que disponibilizam ainda palestras e outros tipos de assessoria específica para o empresário. Somente neste ano, foram mais de 11 mil atendimentos.

“Existem ferramentas que estão à disposição dos empreendedores, gratuitamente. Também temos profissionais treinados e capacitados para ajudar quem precisa de apoio. A saúde financeira da sua empresa depende do comportamento proativo do empresário. Nós estamos aqui para dar um suporte no que for necessário”, explica Hernandes Ortiz.   

COGECOM

Rede Sociais