Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações

Objetivo é aprimorar a qualidade dos atendimentos ofertados pelos profissionais

Cb image default
Divulgação

Os técnicos dos Centros de Referência Especializado em Assistência Social iniciaram nesta segunda-feira (18), capacitação profissional continuada, promovida pela Prefeitura de Nova Andradina através da Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social.

A iniciativa é realizada por meio da parceria entre Gerência de Proteção Social Especial e coordenação do Centro da Juventude. A formação terá duração de 12 meses, acontecendo todas às segundas-feiras, das 7h às 13h.

Segundo a gerente de Proteção especial, Fabiana Barbosa dos Santos, a proposta dessa formação é aprimorar a qualidade dos atendimentos ofertados pelos profissionais, sejam eles assistentes sociais, psicólogos, educadores social, estagiários, recepcionistas e motorista que atuam diretamente com as pessoas em situação de violação de direitos, considerando que a formação continuada dos profissionais é uma ferramenta para o planejamento e elaboração das ações, dentro do SUAS (Sistema Único de Assistência Social).

Essa Política Nacional de Educação Permanente constitui, portanto, uma resposta às demandas por qualificação do provimento dos serviços socioassistenciais, da gestão e do controle social, não apenas representativa dos anseios do conjunto de sujeitos envolvidos na construção desse Sistema, mas também de um ousado e arrojado modo de se conceber e fazer a formação de pessoas para e pelo trabalho, visando à emancipação dos trabalhadores e dos usuários do Sistema.

“A finalidade é buscar referências positivas para o aprimoramento constante dos trabalhos. Atendemos milhares de pessoas, famílias, idosos, crianças e adolescentes, pessoas em situação de rua, adolescentes atores de atos infracionais e outros, exigindo conhecimento técnico operativo, que visam assegurar a oferta de serviço de qualidade para os usuários”, esclarece Fabiana.

No Creas, os profissionais atendem as famílias em vulnerabilidade de risco pessoal e social em decorrência de situação de violação de direito. Devido ser um serviço articulados como outros órgão, requer demanda de elaboração de relatórios para os sistemas de justiça, como Ministério Público e Vara da Infância e da Juventude, Delegacias de Policias, Conselho Tutelar e outros. As principais demandas das unidades são negligência, abandono, violência física, psicológica e sexual.

Os cursos estão sendo ministrados pela coordenação do Centro da Juventude, Débora Fernandes, visto que possui experiência de 13 anos que atua na política de assistência social, podendo agregar nesse momento de estudos e qualificação profissional.